PAIM FILHO/RS, 25/06/2017  
História da Raça - Indubrasil



A Série História da Raça desta semana dá destaque a uma raça genuinamente brasileira: o zebu Indubrasil, um animal bonito, de grande porte e dócil .
Origem
Características
Curiosidades
Fator Genético
Fotos
Entrevista com o Criador
Origem
O Indubrasil foi obtido, em 1930, a partir da fusão entre Gir, Guzerá e Nelore, no Estado de Minas Gerais, especificamente na região do Triângulo Mineiro. O primeiro registro genealógico na Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ) aconteceu em 1938.
Há relatos de que o Indubrasil possa ter surgido ocasionalmente, através da curiosidade de criadores e estudiosos da época que queriam unificar em uma raça as principais qualidades do gado zebu.
Um dos principais responsáveis pelo resultado foi o Coronel José Caetano Borge, em Uberaba/MG, que teve padrão racial estabelecido pela Sociedade Rural do Triângulo Mineiro no ano citado.
voltar ao topo
Características
Habilidade materna, docilidade e conversão alimentar estão entre os destaques da raça.
Boa adaptação em confinamentos, com ótimo ganho de peso diário e bom rendimento de carcaça.
Dupla aptidão e grande heterose nos cruzamentos (vigor híbrido dos cruzados, quando comparado às raças sintéticas).
Orelhas grandes (a maior entre os bovinos), grande porte, com as fêmeas podendo atingir 750 kg na fase adulta (casos de 900 kg) e os machos adultos com peso máximo de 1000 quilos (recordes acima de 1.200kg).
Chifres médios, olhos aparentemente sonolentos, pelagem uniforme, branca ou cinza.
voltar ao topo
Curiosidade
- Esta raça já teve outros nomes: Induberaba, Induaraxá , Indubahia, Induporã. Com o nome Indubrasil aprovado em 1929 oficialmente
- O Indubrasil já representou quase 80% o rebanho nacional, em 1940.
- Em 1946, os EUA importaram este animal para melhoramento do Brahman
voltar ao topo
Fator Genético
Entre todas as qualidades e benefícios do Indubrasil, o grande destaque na atualidade é a evolução genética, com o intuito de obter resultados excelentes de produção de leite e de carne. Segundo Djenal Tavares Queiroz Neto, criador e diretor da ABCZ, a raça está apta para enfrentar desafios de produzir proteína animal a baixo custo.
Atualmente o Rio Grande do Sul possui o maior mercado de sêmen da raça. Podem ser utilizados em cruzamentos com animais de sangue zebu como de europeu. Já há inclusive cruzamento do Indubrasil com o gado Holandês.
Nos Estados Unidos utiliza-se o cruzamento com Brahman com raças europeias de corte. Enquanto que na Ásia, onde há o maior rebanho desta raça no mundo, trabalha-se para alcançar o puro por cruza, absorvendo as raças nativas.
voltar ao topo




voltar ao topo
Entrevista com o criador Elair Bachi, o primeiro a registrar a raça na ABCZ no Rio Grande do Sul
Rural Centro - O Sítio Fiorindo foi a propriedade primeira a criar esta raça no RS, reconhecida pela ABCZ, por que fez esta escolha? O que te levou a optar pelo indubrasil?
Elair Bachi - O Indubrasil me impressionou à primeira vista, por sua beleza peculiar, docilidade. Esta raça é totalmente diferente das demais raças bovinas, principalmente pelas orelhas. Eu crio apenas esta raça e há mais de cinco anos.
RC - Esta raça necessita de alguma especificação veterinária ou de alguma alimentação diferenciada?
EB - Não necessita de nenhum atendimento veterinário especial. Na verdade é um dos zebus mais rústicos, basta olhar o nordeste do país lá a raça predomina.
O animal próprio para longas caminhadas, resistente a falta de alimentos e também é muito difícil dar pragas neles (carrapatos e bernes). Aqui no Sul ele é muito usado porque existem muitos terrenos dobrados (relevo acidentado - morros) e onde outras raças não entram ele vai feliz da vida (risos). Além disso, come qualquer coisa.
No Rio Grande do Sul, o Indubrasil é muito usado para cruzamentos, se dá muito bem tanto com raças taurinas como zebuínas tem fama de ser o "soberano nos cruzamentos"
RC - Qual a dica para quem quer começar no setor?
EB - Sendo bem otimista e realista ao mesmo tempo, o Indubrasil é uma grande raça, genuinamente brasileira, tem muitas potencialidades e tem vários mercados para ser explorado. Veja algumas vantagens na criação:
1° É uma raça muito leiteira, seu cruzamento com o holandês gera a raça pura Indolando
2° O seu cruzamento com o charolês - nasce o Canchim
3° O touro Indubrasil cruzado com outras raças, vai produzir fêmeas meio sangue muito leiteiras, e consequentemente bezerros mais pesados no desmame e mais, talvez seja o único touro que possa fazer isso na atualidade
4° A raça é usada para embelezamento de sítios, fazenda, por mero capricho – como animal de estimação
5° Aqui existem as famosas carreteadas...(lazer e diversão aos participantes) temos eventos com mais de 300 juntas de tração - a raça predominante é o Indubrasil, pela beleza e docilidade e as aspas facilitarem manejo com cordas
6° o Indubrasil é nosso! É brasileiro - está presente em vários países do mundo, inclusive nos Estados Unidos, onde colaborou na formação do Brahmam
7° Existem vacas Indubrasil sendo ordenhadas e produzindo até 30 kg de leite dia, cito a vaca "Disney"
8° A demanda está sendo grande pela raça e são poucos criadores na atualidade
RC - Algum obstáculo nestes cinco anos de criação?
EB - Eu sou um criador pequeno, tenho aproximadamente 70 animais. A maior dificuldade foi chegar em uma exposição e logo a primeira que participei foi a Expointer do ano passado, mas o esforço valeu a pena! A vaca da minha propriedade, Hagnella, foi a Grande campeã da raça (veja a foto do lado esquerdo, acima). Esta fêmea está prenhe do mega touro Bacará.

Créditos: Ana Britro - www.ruralcentro.com.br

Contador de visitas